Não há nada que perturbe mais uma pessoa honesta do que uma lição de casa, e se você não for “realmente” uma pessoa e for apenas uma criança, a coisa é pior ainda, muito pior!
Por um lado você tem: a vida, a alegria, o videogame, desenhos animados, a liberdade, do outro: lição, obrigação. Como gerir tudo isso?! Você conciliar obrigações com o seu crescimento desordenado?! Fazer a lição primeiro e depois o lazer, ou brincar até o limite e fazer a lição em tempo recorde no último segundo? Os membros do BSC discordaram entre si.
Você cresce e cada vez fica pior, cada vez mais você fica espalhado, cada vez mais você dá margem ao erro, cola, deixa pra última hora, faz na sala. Os desafios de se estudar em um colégio de freiras e de uma escola pública, os dois lados opostos da moeda. Saiba as muitas estratégias para enganar seu professor, um podcast para você se identificar ou então tomar algumas dicas daqueles que foram os reis do crime infantil.
Apresentações em grupo: você era do tipo que fazia tudo, do tipo que apresentava tudo, ou do tipo que dava migué em tudo?! Norminha não só era nerd, como era ostensivo, e é ainda hoje, na pós graduação, o mesmo esnobe que era quando menino.
E ainda: a falta de internet no meio rural dificulta o aprendizado dos estudantes do campo, e outras notícias que o Heitor pega com desdém ao ouvinte.

No episódio de hoje retomamos o tema da liberdade, da independência, mas agora como adolescente. Aquele início da vida adulta espoleta que começa a complicar a sua existência. Quando o sexo oposto invade as festinhas e o ar cheira hormônios e feromônios, é o sentimento de libido e competição.
O pessoal range os dentes, Marcão Nascimento, Norminha, Thiago Zap, Raoni Nicolai e Heitor Okimura esperam o quanto podem um tal de Gui Preto, que chega tumultuando. Muita treta rola por variados motivos, ela vai e volta, e vem, e again and again.
E que contraste foi a juventude do pessoal hein?! Thiago Zap é Dorinho, seu amiguinho playba, Gui Preto é o mundrungo cachaceiro mirim, e Raoni, de jovem promissor a velho sem futuro. E ainda: a notícia mais cansada e esperada de todas é enfim dada e o assunto da prisão iminente de Raoni obriga a retomada do tema: estupro atrás das grades. Se prepara leite com pêra!
Ainda há preconceito no Brasil?! Quantas vezes a polícia pode parar um jovem jogador de Playstation antes da maioridade? E a influência da família no comportamento do jovem e na escolha da profissão. Por que você faz o que você faz, e por que vai errar na escolha da carreira!?
Viva cada vez mais tempo sendo um imbecil! Quando começa a vida adulta? Cientistas afirmam que cada vez mais tarde… Como a molecada de hoje vive a puberdade? E o papel transformador e atrasador da vida virtual no amadurecimento dos cada vez mais virgens e masturbadores jovens.

O BSC Repórter dessa semana se aprofunda em um dos maiores problemas do Brasil, o falido sistema prisional. Cadeias, prisões, jaulas e outros cárceres.
O surreal abismo que há entre as piores prisões do Brasil à maravilhosa estadia dos maiores corruptos e corruptores na Papuda, e nas demais prisões elitistas no país. Quantas inspeções as regalias de Sérgio Cabral aguentam?! É sala de vídeo, espelho no teto e comidinhas de bistrô…
A dura realidade dos abandonados presos, sem nenhuma chance de recuperação e ressocialização, super lotação, estupros e assassinatos. Mas existem prisões modelos no Brasil. Conheça a barata e eficiente cadeia de Pedrinhas, e por que não são todas assim?!
Arquivo: Carandiru, a eterna e icônica maior prisão nacional, um fosso abandonado a céu aberto no meio da maior cidade do hemisfério Sul.
Como são as prisões que deram certo no mundo? Noruega, Suécia e a escalada do crime na terceira idade no Japão, as gangues octogenárias necessitam atenção!
E mais: O BSC discute, como sobreviver em uma prisão?! Os melhores e ineficientes planos elaborados por nós para manter a sua integridade física intacta no cárcere. Vai dar certo? Não.
E ainda: A chance única de Heitor Okimura encostar em Siri, a Inteligência Artificial limitada do Google, o homem contra as falhas do sistema.

A vida é dura, mas e você também é?! Talvez, mas não se orgulhe, porque é por isso que você se quebra quando cai, porque é duro e burro.
Era muito melhor ser um gato, cair sempre de pé, ser flexível, maleável, molinho. Mas você não é… então cuide de seu corpo se não quiser passar meses engessado. E quem nunca ficou meses engessado?
É muito difícil chegar a vida adulta inteiro, sem nenhuma fratura, liso, há quem diga que você tenha que ser uma criança chata, garoto de condomínio criado na bolha, mas quem não se estropiou mesmo dentro da bolhinha da mamãe? Criança sempre dá um jeito de se quebrar, pode quebrar os outros também.
Mas não são só as crianças que se quebram. Norminha quebrou a perna na escadinha do Motel, quer algo mais maduro do que isso?! Marcos Paulo tem mobilidade reduzida, proteção extra, esse pode até quicar… e Raoni é excelente em quebrar os outros enquanto apanha, um tatu não faria melhor.
O que você pode quebrar? Tudo?! Quase tudo… Imagina quebrar o seu pênis, o que fazer?! Que desespero! Não tem osso, mas dobra, saiba o procedimento correto para em casos de zica você não deixar o seu menino na mão. O tempo é precioso, coloca a tala, amarra e grita alto.
FALTA APENAS MAIS UM PATRÃO! Mais um e teremos o terceiro programa extra de recompensa, e olha que acabou de sair o segundo. Obrigado a todos!

A independência começa cedo, pelo menos os traços de independência. Você nasce como um pedaço amorfo de carne inútil, não come e não faz suas necessidades sem ajuda de ninguém, e olha que suas necessidades são apenas comer e colocar para fora…
Mas aí vem as primeiras vitórias, os primeiros direitos, as primeiras liberdades, e a criança se faz.
A ida na padoca para comprar cigarro para os pais, a primeira vez em casa sozinho, aquela festinha infantil ostentação, em uma mesa só mini cenourinhas naturebas e na outra chocolate recheado com chocolate e cobertura com chocolate. A escolha é sua, a liberdade é sua, a vida é sua.
Claro que com a independência vem as responsabilidades, o custo de suas escolhas, e o BSC de hoje conversará sobre o descobrimento do mundo por si próprio, uma das melhores coisas da vida, fazer o que quiser fazer quando se quer fazer.
A primeira vez que você fugiu do berço, a primeira vez que fugiu de casa, a primeira vez pedindo seu Fast Food proibido, sua primeira contravenção, quiçá crime leve a revelia da organizada sociedade.
Você vai descobrir o custo da liberdade! Custo esse que muitos adultos até hoje não entenderam, né não Marcos Paulo?! Por que os adultos fazem o que eles fazem?! Quer ficar acordado até tarde? Vai doer amanhã na escolinha, quis falar o que quis? Teve que ouvir o que não quis.
Como diria a sua vó, manda quem pode, obedece quem tem juízo. E a sua liberdade normalmente começa e termina na liberdade de alguém mais rico que você.

A vida moderna é algo bastante flexível, sobretudo das grandes cidades, mas ainda assim sentimos que o mundo vive, gira e evolui somente de dia, algo que sempre coloca a vida noturna para o cool, underground e até quem sabe, o soturno e depressivo mundo das sombras. Todo um período do dia que a maioria de nós experimenta somente durante algumas horas, mas que pouco sabem sobre o seu potencial.
Há vida, e há rotina “normal” na madrugada, pessoas vivem, giram e evoluem de madrugada. Pessoas trabalham, fazem as compras, confabulam seus crimes, e fazem tudo de madrugada… Exatamente como se faz de dia?!
Esse BSC podcast irá falar da rotina, das simples e normais tarefas, mas tudo em óculos de visão noturna. E o pessoal aqui do Bobos Sem Corte entende muito bem disso, Norminha é a coruja que só sai quando não se vê viva alma, Gui Preto e Thiago Zap são os humoristas da noite, e Heitor Okimura por sua vez, é o único pele de pêssego matutino, provando que sim, há vida inteligente na madrugada, mas como Heitor Okimura poderia participar dela não é?! Se não é inteligente… acorda cedo.

Scroll to top