Não tem como dizer que não se trata de uma data especial. Após uma vida inteira de árdua batalha escolar, chatices, bullying, aprendizados inúteis, professores cretinos e um sistema falido, se livrar disso tudo realmente merece uma celebração.
Roupas bonitas, cabelos cheios de voltas, valsas cheias de pisadelas e discursos chatos. Todo mundo vai ficar bêbado (inclusive a sua vó) todo mundo vai pular (inclusive a dentadura da sua vó)
A última chance escolar de você pegar alguém épico, afinal, escalhada como é não arrumou acompanhante, seu pai também não veio né? Vai ter que dançar com o tio de algum menino de outra cor.
E a volta de Pri Castello Branco ao BSC, com toda a sua exuberância e xucrice feminina, a boca dela desbancou Daniella Cicarelli e é a nossa oradora escolhida!

Mãos grudentas, apego pelo açúcar, expectativas baixas e nariz escorrendo, todo mundo já foi criança um dia.
E a rotina de uma criança pode ser pior do que a vida de um empregado CLT… Desenho educativo, escola, brócolis com fígado, dia após dia, segunda, terça, domingo. O que o seus pais não te apresentam, você nem sabe que existe, todos vivíamos em uma bolha.
Mas os feriados existem, e festas acontecem. Festas surgem como um dia de liberdade, um dia de direitos e não de deveres, um dia para comer o quiser, fazer o que quiser, ser paparicado, ter seus desejos atendidos. Um dia de pecado.
Na repetitiva e possivelmente tediosa vida da criança, a espera de datas pequenas as tornam grandes eventos, como uma luzinha no fim do túnel que diz em neon: PRESENTES! Agora, presentes também pode significar roupa, e não adianta sorrir ao apertar, que também pode ser cueca.
Grandes coisas ocorrem nesses grandes eventos mirins, um evento sem quinas e com muita supervisão, mas que nem por isso acaba sem meia dúzia chorar.
Mas os pais de hoje em dia perderam a razão e o bom senso, as festas infantis têm cerveja artesanal sem álcool e rapel, se antes era um dia de pecado, aniversário agora virou dia de Adriano.

Incrível como certos temas rendem tanto. Quem poderia imaginar que seria o caso deste evento realizado em 1 x 1,5 metro quadrado?
Bom, pessoas ficam peladas nesse local… Pessoas também fazem muitas coisas erradas nesse local. Aliás, qualquer coisa que não envolva “tomar banho” é errado nesse local.
Coisas erradas, gente pelada… Talvez seja por isso que rendeu tanto.
Uma estratégia pior que a outra. Por onde você começa a tomar banho? Começa pelo pé, como Norminha? Pela cabeça, como Marcão? Segue a música do Castelo Rá-Tim-Bum, como Octávio Rogens? Ou parte para o fundamental, como Raoni?!
Seguimos no fio da navalha para entregar um programa sem baixaria e que sobrevivesse a censura, não foi fácil, era muita gente pelada e um horror em pelos.

Pouca coisa pode ser mais aterrorizante na vida do que você levar seu amor para conhecer as criaturas que te criaram.
Apesar de todos os seus retardos, o evento enfim, cara a cara; tudo o que há de mais nefasto em sua criação de frente com o xuxuzinho de sua vida todo vulnerável, o cajuzinho do seu marmelo em cilada, alguém vai enfiar a colher, vai azedar esse doce, prepare-se, é na próxima garfada que virá a bomba, não, na próxima… Mas você está lá para salvá-lo do pior que só você conhece. Você tá junto nessa, é seu dever protegê-lo! Boa hora de praticar o “time”.
Caso seja você o apresentando, muitas dicas valiosas, como: não seja você mesmo por nada, não opine, nunca tome partido, ou muito menos seja honesto. Crenças?! Enfia bem no fundo antes de ir. Valores?! Aperta a privada… Não seja tão exigente consigo mesmo, ninguém precisa votar.
Apesar de não ser exatamente clara a razão, também falaremos bastante sobre privadas… Parece haver um forte tabu sobre sons e demais aspectos fisiológicos no lavabo da sala de jantar, em pleno jantar, na casa dos pais bomba-relógio da sua namoradinha fofa. Quem mandou ofertarem Bobó de Camarão?!

Scroll to top